Fabricação de alta tecnologia

Fabricação de alta tecnologia

Acreditamos que a tecnologia robótica é o futuro (se não o presente) para uma série de indústrias

Nossas reflexões mensais nesta coluna, muitas vezes, são baseadas no que foi quente no noticiário no período passado. Por esta razão, parecia que a história natural este mês seria sobre robôs e seu uso na fabricação e muitos outros fins relacionados. Há um mês ou dois, história após história cruzaram a minha mesa com algo a ver com automação e robótica. Então, vamos rever.

Nós todos queremos tornar as nossas empresas mais competitivas, o que provavelmente irá cortar custos. Sem tirar o espaço para apoiar cada razão, a ABB, uma fabricante de robôs, lista as seguintes 10 razões para considerar robôs: reduzir custos operacionais; melhorar a qualidade e consistência do produto; melhorar a qualidade de trabalho para os funcionários; aumentar as taxas de volume de produção; aumentar a flexibilidade de produtos fabricados; reduzir o desperdício de material e aumentar o rendimento; estar em conformidade com as normas de segurança e
melhorar a saúde e segurança no trabalho; reduzir a rotatividade e dificuldade de recrutamento de trabalhadores; reduzir os custos de capital (inventário e trabalho em andamento); e economizar espaço em áreas de produção de alto valor . A ABB apresenta aplicações para o setor automotivo, fabricação de metal e áreas de fundição e forjamento.

Confira o vídeo em www.industrialheating.com/tesla para exemplos do que os robôs podem fazer por um fabricante de automóveis.Muitas vezes, os trabalhadores e seus empregadores estão preocupados que os robôs vão colocar os funcionários na rua. No livro Race Against the Machine (Corrida Contra as Máquinas), pesquisadores do MIT (Massachusetts Institute of Technology) afirmam que o computador e a inovação robótica estão perturbando o mercado de trabalho.

Um relatório publicado em janeiro pela AP (Associated Press) afirmou que milhões de empregos da classe média estavam sendo “destruídos pela tecnologia”. Um artigo na revista World, no início deste ano, sugere o oposto. O autor indica que os fabricantes acreditam que a automação  pode salvar os empregos americanos em face à concorrência global. Uma citação do artigo resume: “Se você está fora do negócio, quão bom você é?” As empresas entrevistadas pela revista World indicam que, ao adotar a automação, as empresas reduzem os seus custos de produção suficientemente para a fabricação em solo americano e empregam trabalhadores norte-americanos. Um fabricante de usinagem de precisão em metais que utiliza robôs diz: “Nós não despedimos uma única pessoa, nunca, devido a melhorias de automação. Esperamos que nossas receitas dobrem nos próximos três anos (devido à automação)”. Eles antecipam que o número de empregados irá crescer de 175 para 225 neste período.

As pessoas devem concordar que, de acordo com a Robotic Industries Association (RIA), as empresas norte-americanas trouxeram um recorde de 22.598 robôs valendo 1,48 bilhões dólares em 2012. Os embarques até junho deste ano totalizaram 11.308 robôs, no valor de $715.100.000, quebrando o recorde da primeira metade do ano passado em 11%. A RIA estima que cerca de 230 mil robôs já estejam em uso nas fábricas dos Estados Unidos, perdendo apenas para o Japão. Na reunião de verão do Commitee of Congressional Robotics Caucus Advisory (Comitê Consultivo do Conclave do Congresso Americano sobre Robótica), os especialistas tiveram o objetivo de comunicar que os robôs não são uma ameaça para o emprego. Semelhante à conclusão anterior, afirmaram que “a tecnologia é realmente sobre operações eficientes”. Os robôs permitem o crescimento em setores que devem permanecer em terra. Jeff Burnstein, presidente da Associação para o Avanço da Automação (Association for Advancing Automation), explicou que a robótica vai criar até 1,5 milhão de empregos até 2016.

É impossível discutir o tema sem tocar em uma questão que temos analisado em vários editoriais anteriores – trabalhadores qualificados. Nós não temos espaço para tratá-lo aqui, mas, a fim de ver este tipo de crescimento do emprego, serão necessários trabalhadores qualificados, com formação avançada necessária para programar e manter equipamentos de alta tecnologia.
Uma das desvantagens das tecnologias robóticas é a de manter um perímetro de trabalho seguro ao redor do robô. Uma notícia recente da Alemanha indica que esta complicação pode ser resolvida para algumas aplicações. A Volkswagen instalou um robô leve em sua linha de montagem do cabeçote em uma das maiores plantas de produção de motores no mundo. O robô é capaz de colaborar diretamente com as pessoas, sem proteções, devido ao seu modo de segurança integrado. É o primeiro robô colaborativo em uso pela VW no mundo.

Outros robôs estão sendo fabricados para fazer coisas como limpar nossos tapetes ou cortar nossa grama. Eu também li recentemente sobre um robô drone que está sendo testado pela BP (British Petroleum) para inspeções de rotina de gasodutos no Alasca. O robô drone, de 1,5 kg e 85.000 dólares, é equipado com uma câmera sensível ao calor que pode verificar o vazamento de tubos. Os drones são outro assunto completo, o qual esperamos mergulhar em breve.

Qual é a linha de fundo? Acreditamos que a tecnologia robótica é o futuro (se não o presente) para uma série de indústrias. Também estamos no campo que diz que o que é bom para os fabricantes vai ser bom para o emprego industrial. Qualquer outra posição arrisca o rótulo de reacionário, e a história tem mostrado que não é bom para a produção.

Reed Miller
Reed Miller
Mestre em engenharia metalúrgica, experiências de carreira industriais variam de aço derretendo ao acabamento; rolamento de fabricação, testes e tratamento térmico; e forjou manufatura moinho-roll e tratamento térmico. Com mais de uma década como editor da Revista Industrial Heating nos EUA, ele traz mais de 35 anos de experiência para a sua posição. Contate: +1 412-306-4360 ou reed@industrialheating.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *